icone para o facebook icone para o instagram icone para o twitter icone para o linkedin icone para o youtube icone para o youtube icone para o youtube icone para o youtube
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form.
Ciência & Bem-estar

Saúde mental: intolerância e tristeza no rastro da pandemia

Pesquisa sobre transtornos psiquiátricos em tempos de Covid-19 mostra que o brasileiro está mais irritado. Especialistas explicam que o medo da morte e a necessidade de distanciamento social afetam o senso de coletividade e exacerbam o individualismo nas relações sociais. Diante de uma doença avassaladora, que levou ao colapso serviços de saúde no país inteiro […]

Grupo IAG
08/09/2021

Pesquisa sobre transtornos psiquiátricos em tempos de Covid-19 mostra que o brasileiro está mais irritado. Especialistas explicam que o medo da morte e a necessidade de distanciamento social afetam o senso de coletividade e exacerbam o individualismo nas relações sociais.

Diante de uma doença avassaladora, que levou ao colapso serviços de saúde no país inteiro e que deixa como rastro mais de quinhentas mil mortes e milhões de infectados, a sociedade brasileira ainda viu emergir uma onda de intolerância que contamina as próprias relações entre as pessoas. Os reflexos podem ser vistos em exemplos de Norte a Sul do país. É uma briga de trânsito que vira perseguição seguida de atropelamento ou uma discussão por causa do uso de máscaras que acaba em morte. Para especialistas ouvidos pelo Correio, ainda que a intolerância já se fizesse presente no Brasil e no mundo desde sempre na história das relações humanas, a pandemia potencializou em muitas pessoas essa falta de empatia, de paciência em relação ao outro e de respeito a normas de convivência.

 

A intolerância do povo brasileiro é uma construção social antiga, que vem desde os primeiros tempos da colonização do solo brasileiro pelos portugueses, que usaram a violência como uma das estratégias para subjugar os índios que aqui viviam, iniciando um processo de genocídio. É o que explica Eduardo de Castro Carneiro, sociólogo pela Universidade de Brasília e mestre em Sociologia da Violência pela Universidade Federal do Goiás (UFG).

 

 

(Continua...)

 

Fonte: Leia a matéria na íntegra em Correio Braziliense

Créditos da Imagem Destacada: Imagem de mohamed Hassan por Pixabay

Esta publicação em nada reflete a opinião ou conhecimento pessoal da Presidência, da Diretoria ou da equipe do Grupo IAG Saúde, tendo caráter unicamente informativo e não sendo utilizada para fins comerciais.

Imagem de mohamed Hassan por Pixabay